quinta-feira, 14 de julho de 2016

Amor & Obediência


O QUE DEUS ESPERA DE NÓS? AMOR OU OBEDIÊNCIA?



O que Deus espera de seus filhos é que estes o amem por aquilo que ele é. Obediência é fruto da manifestação deste amor. Sabe aquela frase "a única coisa que Deus espera de nós é obediência!", pois é, é uma falácia. O que Deus espera de nós, insisto, é que o amemos de todo coração, com toda nossa alma, com todo nosso entendimento. O amor é o vínculo de um relacionamento saudável entre um Pai bondoso e seus filhos, aceitos em Cristo.

Aqueles que entendem a obediência como prioridade na relação com Deus tem uma visão legalista, reducionista, típica de moralistas religiosos. Aqueles que entenderam que a essência da boa relação com Deus é o amor, tem prazer em obedecer a Palavra de Deus, porque amam a Deus. Estes aprendem desde cedo a amarem o próximo, amarem os que os perseguem, suas vidas exalam amor. Gostamos de ficar próximos de pessoas assim, não é verdade? Elas cheiram bem, cheiram ao bom perfume de Cristo! (2Co 2.15).

Jesus deixou isto claro quando disse que o amor produz obediência, e não o contrário: "Se me amais, guardai os meus mandamentos" (João 14:15). E reafirmou que uma evidência de que amamos a Deus é a obediência que lhe conferimos: "Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele." (João 14.21).

Quando dou ordens ou comandos aos meus filhos eles podem:
1)      Obedecerem porque tem medo de que eu os castigue;
2)      Obedecerem porque querem receber uma recompensa;
3)      Obedecerem porque me amam como seu pai, e querem me agradar
4)      Desobedecerem.


Certamente, como pai, o ponto "três" é aquele que causará verdadeira satisfação na minha alma. Pensar que meus filhos me obedecem, que eles seguem minha liderança, porque me amam, porque querem agradar ao seu velho pai, com muito amor, trará alegria certamente. E ainda que eles me desobedeçam, e isso ocorrerá algumas vezes (ou muitas vezes), não significa necessariamente que eu como pai deixarei de amá-los. Assim, penso eu, Deus espera que nós o obedeçamos não porque temos medo dele, não porque queremos receber recompensas nesta vida e no porvir, mas, principalmente, porque o amamos de todo nosso coração, e só o amamos porque ele nos amou primeiro. (1Jo 4.19). E ainda que falhemos neste empreendimento de amar a Deus demonstrando em atos de obediência a qualidade e o compromisso deste amor, nosso Pai jamais nos deixará. Ele aplicará todos os recursos, incluindo a disciplina amorosa e firme, para nos conduzir a ele. Ele nos ensinará a amá-lo, sim, porque amor se aprende.

Seguir por e-mail