domingo, 29 de abril de 2012

TEMPO DE RENOVAÇÃO


PESCADORES E PEIXES


Aqueles que me conhecem mais de perto sabem o quanto eu gosto de pescar. Assumi esse hobby no tempo em que fui missionário no Rio Grande do Sul. Nos primeiros anos como missionário em Canela me sentia muito solitário. Sem amigos, parentes longe, somente eu e a família (esposa e filhos) diante do desafio de plantar uma nova igreja, pioneira, do “zero”.

Foi nesse tempo que descobri nas barragens da região das Hortênsias a pesca esportiva, principalmente do Black-Bass. Comecei aos poucos a comprar minha tralha, e sempre que tinha uma folga dava um pulinho na barragem mais próxima, que distava a menos de 10 km de onde morávamos.

Esse exercício da pesca ajudou-me a compreender alguns segredos para lidar com o esporte da pescaria. É preciso ter paciência, perseverança, estratégia, bom equipamento e preparação de boas iscas.

Meditando sobre o ministério de Jesus, comecei a pensar porque Jesus chamou pescadores para serem seus primeiros discípulos. Pedro, André, João são exemplos de homens que viviam da pesca profissional e foram chamados para servir ao Mestre. Creio que a excelência do ministério desses discípulos residia na capacitação especial que o Espírito Santo lhes concedeu de forma graciosa. Mas passei a crer também que algumas de suas habilidades naturais, fruto da graça comum, também serviu de instrumento na mão do Espírito para fazer desses discípulos pescadores de homens.

Deus, em sua infinita graça, usa as capacitações naturais e concede também as sobrenaturais para cumprir todos os seus desígnios eternos. Nada é por acaso, pois “... sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”. Romanos 8:28
sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.
Romanos 8:28
sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.
Romanos 8:28
E sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.
Romanos 8:28

Nestes últimos dias estou gozando de uma licença especial para renovar forças e recuperar-me de um forte estresse que me abateu nos últimos meses. Estou em Santa Catarina, somente eu e minha esposa. É a primeira vez desde que nossos filhos nasceram que pudemos fazer uma viagem a sós. Os avós ficaram com eles, que bênção! Como é bom pescar, olhar a natureza, obra da mão de Deus, e contemplar em tudo o seu favor, a sua graça e infindável bondade.

Soli Deo Gloria!
Afonso Celso

terça-feira, 10 de abril de 2012

JESUS NUNCA FOI CRISTÃO

Quinta-feira, Junho 03, 2010

 

 Tomo a liberdade de reproduzir neste blog a reflexão do mestre, professor e pastor, DR. Augustus Nicodemus, grande contador de píadas (algumas só ele entende). O título parece heresia, mas seu conteúdo é deverás bíblico e atual.
 http://tempora-mores.blogspot.com.br/2010/06/jesus-nao-era-cristao.html

Muita gente pensa que sim. Todavia, a religião de Jesus não era cristianismo. Explico. Jesus não tinha pecado, nunca confessou pecados, nunca pediu perdão a Deus (ou a ninguém), não foi justificado pela fé, não nasceu de novo, não precisava de um mediador para chegar ao Pai, não tinha consciência nem convicção de pecado e nunca se arrependeu. A religião de Jesus era aquela do Éden, antes do pecado entrar. Era a religião da humanidade perfeita, inocente, pura, imaculada, da perfeita obediência (cf. Lc 23:41; Jo 8:46; At 3:14; 13:28; 2Co 5:21; Hb 4:15; 7:26; 1Pe 2:22).

Já o cristão – bem, o cristão é um pecador que foi perdoado, justificado, que nasceu de novo, que ainda experimenta a presença e a influência de sua natureza pecaminosa. Ele só pode chegar a Deus através de um mediador. Ele tem consciência de pecado, lamenta e se quebranta por eles, arrepende-se e roga o perdão de Deus. Isto é cristianismo, a religião da graça, a única religião realmente apropriada e eficaz para os filhos de Adão e Eva.

Assim, se por um lado devemos obedecer aos mandamentos de Jesus e seguir seu exemplo, há um sentido em que nossa religião é diferente da dele.
Quando as pessoas não entendem isto, podem cometer vários enganos. Por exemplo, elas podem pensar que as pessoas são cristãs simplesmente porque elas são boas, abnegadas, honestas, sinceras e cumpridoras do dever, como Jesus foi. Sem dúvida, Jesus foi tudo isto e nos ensinou a ser assim, mas não é isso que nos torna cristãos. As pessoas podem ser tudo isto sem ter consciência de pecado, arrependimento e fé no sacrifício completo e suficiente de Cristo na cruz do Calvário e em sua ressurreição – que é a condição imposta no Novo Testamento para que sejamos de fato cristãos.

Este foi, num certo sentido, o erro dos liberais. Ao removerem o sobrenatural da Bíblia, reduziram o Jesus da história a um mestre judeu, ou um reformador do judaísmo, ou um profeta itinerante, ou ainda um exorcista ambulante ou um contador de parábolas e ditos obscuros que nunca realmente morreu pelos pecados de ninguém (os liberais ainda não chegaram a uma conclusão sobre quem de fato foi o Jesus da história, mas continuam pesquisando...). Para os liberais, todas estas doutrinas sobre o sacrifício de Cristo, sua morte e ressurreição, o novo nascimento, justificação pela fé, adoção, fé e arrependimento, foram uma invenção do Cristianismo gentílico. Eles culpam especialmente a Paulo por ter inventando coisas que Jesus jamais havia dito ou ensinado, especialmente a doutrina da justificação pela fé.

Como resultado, os liberais conceberam o Cristianismo como uma religião de regras morais, sendo a mais importante aquela do amor ao próximo. Ser cristão era imitar Cristo, era amar ao próximo e fazer o bem. E sendo assim, perceberam que não há diferença essencial entre o Cristianismo e as demais religiões, já que todas ensinam que devemos amar o próximo e fazer o bem. Falaram do Cristo oculto em todas as religiões e dos cristãos anônimos, aqueles que são cristãos por imitarem a Cristo sem nunca terem ouvido falar dele.

Se ser cristão é imitar a Cristo, vamos terminar logicamente no ecumenismo com todas as religiões. Vamos ter que aceitar que Gandhi era cristão por ter lutado toda sua vida em prol dos interesses de seu povo. A mesma coisa o Dalai Lama e o chefe do Resbolah.

Não existe dúvida que imitar Jesus faz parte da vida cristã. Há diversas passagens bíblicas que nos exortam a fazer isto. No Novo Testamento encontramos por várias vezes o Senhor como exemplo a ser imitado. Todavia, é bom prestar atenção naquilo em que o Senhor Jesus deve ser imitado: em procurarmos agradar aos outros e não a nós mesmos (1Co 10:33 – 11:1), na perseverança em meio ao sofrimento (1Ts 1:6), no acolher-nos uns aos outros (Rm 15:7), no andarmos em amor (Ef 5:23), no esvaziarmos a nós mesmos e nos submeter à vontade de Deus (Fp 2:5) e no sofrermos injustamente sem queixas e murmurações (1Pe 2:21). Outras passagens poderiam ser citadas. Todas elas, contudo, colocam o Senhor como modelo para o cristão no seu agir, no seu pensar, para quem já era cristão.

Não me entendam mal. O que eu estou tentando dizer é que para que alguém seja cristão é necessário que ele se arrependa genuinamente de seus pecados e receba Jesus Cristo pela fé, como seu único Senhor e Salvador. Como resultado, esta pessoa passará a imitar a Cristo no amor, na renúncia, na humildade, na perseverança, no sofrimento. A imitação vem depois, não antes. A porta de entrada do Reino não é ser como Cristo, mas converter-se a Ele.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Há tempo pra tudo, até pra ficar a sós com nossos botões...


sexta-feira, 6 de abril de 2012

PREPARAS-ME UMA MESA NA PRESENÇA DOS MEUS ADVERSÁRIOS


OVELHAS E MOSCAS


“Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda.” Salmo 23.5



Tem momentos em nossas vidas que nos deparamos com lutas tão acintosas,tão avassaladoras que consideramos esse tempo de angústia profunda como aquele “dia mau”, que o Apóstolo Paulo se refere em seu texto da carta aos Efésios (6.13). Nesse trecho do capitulo seis, Paulo ordena aos crentes de Éfeso a se fortalecerem no poder de Cristo e serem sóbrios e vigilantes, discernindo o verdadeiro inimigo, que se esconde no mundo espiritual. No verso 13 ele é incisivo ao dizer: Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais, resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. Efésios 6.13

Tenho me sentido assim, ultimamente. Pra dizer a verdade, e não poderia ser diferente, desde que Cristo me venceu na Cruz e em sua Palavra no ano de 1985, nunca mais tive sossego. Parece desanimador ouvir isso de um pastor, de uma evangelista, plantador de igreja, não é mesmo? Poxa, afinal, as promessas que fazem por ai na televisão, na mídia, nas mega igrejas é “venham pra Jesus e pare de sofrer, seja rico e prospero pra toda vida”. Porém quando a gente olha de perto pro Evangelho da verdade nós encontramos promessas que desafiam nossa caminhada e provam nossa fé. Só pra citar algumas:

“De fato, todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos”. 2 Timóteo 3.12 NVI

“Então Jesus disse aos seus discípulos: ‘Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me’”. Mateus 16.24 NVI

"Então eles os entregarão para serem perseguidos e condenados à morte, e vocês serão odiados por todas as nações por minha causa”. Mateus 24.9

“...os inimigos do homem serão os da sua própria família”. Mateus 10.36

Este verdadeiramente não é o Evangelho da Universal, da Internacional nem da Mundial.

Por quê continuamos a seguir este evangelho, será que somos masoquistas? Creio que a melhor resposta foi dada pelo intempestivo Pedro, e não foi fruto do labor do seu pensamento, foi revelação divina, quando Jesus pôs seus discípulos "contra a parede" e lhes perguntou de certa forma “por que vocês não vão embora com os outros também?” Veja que Jesus nunca insistiu um dedinho sequer pra alguém segui-lo. Por isso sou contra qualquer tipo de apelo que passe da medida do constrangimento. O melhor apelo vem do Espírito Santo, que chama pela pregação e testemunho de sua Palavra. Mas, hein?!... voltando a resposta de Pedro, ele disse: "Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna”. João 6.6.b O Espírito Santo levou Pedro a ter uma compreensão sob a perspectiva da Eternidade e não da transitoriedade passageira de uma vida que pode ter o problema que for, mas que já esta determinada por Deus a ter um fim, e um recomeço glorioso. 
        
                   Paulo compreendeu isso também e disse:

“... pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão produzindo para nós uma glória eterna que pesa mais do que todos eles”. 2 Coríntios 4.17 NVI

Domingo passado, dia 01 de abril, recebemos a ilustre visita do pastor indiano, Rev. Hiralal Solanki, pastor da Igreja Presbiteriana de New Delhi – India. Ele nos trouxe uma linda mensagem com base no Salmo 23. Minha alma estava tão sedenta em ouvir a voz do Senhor que as palavras daquele homem de Deus penetrava meus ouvidos e caia direto em meu coração. Não pretendo reproduzir todo o seu sermão que foi belíssimo. Mas, pra nossa edificação e glória de Deus, vou falar sobre um trecho deste Salmo exposto pelo Rev. Solanki.

Solanki nos contou que antes de ser pastor presbiteriano ele era pastor de rebanho de ovelhas. Ele nos disse que de suas experiências como pastor de gado então ele guardava algumas lembranças que faziam com que ele compreendesse as metáforas que Davi empregava neste Salmo, por ser Davi também, antes de ser Rei, um humilde pastor de gado de ovelhas.

O salmo 23.5 nos diz o seguinte: “Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda.”


Solanki nos contou que o pastor ao levar as ovelhas para o pasto lhes oferece comida farta. Porém as ovelhas convivem com um vizinho indesejável, chato, persistente, que lhes incomoda, o mosquito. As moscas, que buscam também servir-se do sangue das ovelhas, ficam voando ao entorno de seus corpos. Quem já conviveu com pernilongos sabe como é chato isto. Uma vez alguém me perguntou por que Deus criou os pernilongos. Interessante... fiquei pensando, é mesmo, por que? Ô bichinho chato tchê! Ai eu pensei na minha mente louca, deve ser pra dar uma pequenina amostra grátis de como será insuportável o inferno!

Voltando as ovelhas e moscas... Está ali a comida, mas também os inimigos das ovelhas, as moscas. Por que simplesmente Deus não mata as moscas? Por que ele não as expulsa dali? Ele não as mata, nem as expulsa, mas ele faz com que as ovelhas sejam protegidas a tal ponto que as moscas não lhes tocam, ele as mantem de certa forma à distância. O pastor unge as cabeças das ovelhas com um tipo de óleo que serve de repelente. Quem gosta de pescar, como eu, sabe que existem óleos repelentes que não matam os mosquitos, nem os expulsam dali, mas os mantem suficientemente afastados para que tenhamos a paz para poder pescar e desfrutar com deleite daquilo que Deus preparou para nosso lazer.

Olha, sinceramente, não fiz uma exegese profunda desse texto em seu original hebraico. Mas acho que nem preciso. Faz todo sentido, o contexto imediato, e o contexto geral das Escrituras provam-nos que Deus não expulsa os nossos inimigos, nem os mata (se bem que... que, de vez em quando ele mata uns, mas logo os substitui por outros). Deus não tira as aflições, ele nos fortalece nelas. Deus não nos faz transpor as lutas, ele caminha conosco no meio do vale da sombra da morte, com seu cajado e bordão protetor. O Supremo pastor vai sempre junto conosco.

No final da mensagem eu estava rindo comigo mesmo, identificando as minhas "mosquinhas de estimação" (aquelas que me acompanham sempre, igualzinho as pulgas que insistem em coabitar com meu gato, apesar de todo tratamento que já tentei para exterminá-las), dano nome a cada uma delas, e pensando, coitadinhas, vão morrer de fome, porque o sangue desta ovelhinha aqui elas não podem tocar, pois foi ungida por Cristo!  

"Mas vocês têm uma unção que procede do Santo..." 1 João 2.20a)


 Ah... Faz bem lembrar a nós mesmos, e as "moscas" e "serpentes", que o tempo esta contado e acabando. Quando finalmente, o novo Éden for inaugurado na volta de nosso Senhor, então se cumprirá agrande promessa que diz:  

"Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor, pois a antiga ordem já passou". Apocalipse 21. 4 NVI

E lá não haverá espaço para moscas, cobras e lagartos... 











A DEO SOLI GLORIA
Rev. Afonso Celso de Oliveira

quinta-feira, 5 de abril de 2012

CAPELANIA ESCOLAR EM ESCOLAS PUBLICAS E NÃO CONFESSIONAIS: UM MODELO DE ACONSELHAMENTO SOLIDÁRIO E SOCIAL

PROJETO SOCIO-EDUCATIVO
CONVERGENCIA DE VIDAS
Refletir a Vida e Vivências Na Escola
Capelania Cristã nas Escolas Públicas e Não Confessionais






            O tema da Capelania Evangélica sempre me cativou muito desde os tempos de seminário. Lembro-me do período de estágio da disciplina de Poimênica (Aconselhamento Pastoral), quando nós estudantes de Teologia tínhamos que cumprir certo número de horas no Hospital Evangélico de Belo Horizonte, auxiliando o Capelão dali ao serviço religioso da visitação, dos cultos, e do aconselhamento solidário aos enfermos, parentes, enlutados, funcionários, etc. Lembro-me que tinha dias que saía do Hospital refletindo a vida e agradecido a Deus por ter saúde e família saudável, principalmente quando nos dias que era escalado para visitar a ala da pediatria e da hemodiálise.

              Quando cheguei a Canela/Gramado-RS para assumir o meu primeiro campo, pioneiro, onde iria plantar uma igreja do “zero”, os primeiros casos complicadíssimos de aconselhamento que me deparei no “gabinete” (nem isso tinha) me levou a um "frio na espinha" e um ar de desespero quase indisfarçável. Foi aí que resolvi procurar ajuda e me inscrevi no curso Lato Sensu de Aconselhamento e Psicologia Pastoral da EST de São Leopoldo/RS (2006-2008). 

Ajudou, mas confesso, não me sinto, e acho que nunca me sentirei preparado para essa função de ser conselheiro, pelo simples motivo que ao tratar de problemas da fragilidade humana estou tratando de problemas que somente a graça de Cristo pode resolver. Em outras palavras, nós pastores, conselheiros, psicólogos cristãos, terapeutas familiares, e outros, por mais que busquemos o conhecimento acadêmico, a aprimoração da função, que é louvável e altamente desejável, sem a unção do Espírito Santo de Deus para tal tarefa, sem a intervenção milagrosa da graça divina, somos reféns da soberba e prepotência de acharmos que nossa sabedoria e experiência de vida basta para levarmos alguém a algum lugar de segurança e felicidade. 


Por isso, sempre que me encontro em alguma tarefa de aconselhar alguém, seja membro da igreja, um parente, um amigo, estranho, qualquer pessoa, me coloco totalmente refém nas mãos do Maravilhoso Conselheiro, o Príncipe da Paz, é ele, tão somente ele, que coloca palavra de sabedoria em nossas bocas, porque ele tudo vê, tudo sabe e tudo pode. A ele, o Senhor da Glória, que nos desvenda o mistério de sua graça, honra, glória e majestade!

De onde surgiu a ideia de desenvolver uma Capelania Escolar em Escolas Públicas? 

Bem, eu não posso afirmar quanto as outras instituições, nem mesmo se a ideia é original no meio presbiteriano, só sei que no meu ministério isso surgiu depois da visita de seminaristas e diretores de nossos seminários do JMC e do SPN (Rev. Ageu e Rev. Marcos André) que lideravam o projeto "Despertando Vocações", e estiveram em Canela no mês de julho de 2009, quando visitamos algumas escolas do município. Entre elas a Escola Municipal João Alfredo, onde a Diretora Profª Lourdes nos recebeu de braços abertos. Ali, conversando com o corpo docente, percebi uma oportunidade de oferecer um serviço cristão dentro da Escola. Formatei um projeto, e com o apoio da Profª Lourdes e da Orientadora Educacional Profª Márcia, apresentei o mesmo a Secretaria de Educação do Municipio, que após examinar o projeto por alguns dias, autorizou nossa presença dentro da Escola. 


No ano de 2010 tivemos a oportunidade de atender dezenas de alunos e o resultado foi registrado em depoimentos dos próprios professores, conforme página desse blog. Pena não poder ter prosseguido com o projeto, uma vez que retornei para Belo Horizonte em 2011. Mas as portas ficaram abertas para que outros pudessem dar continuidade ao que eu, pela graça de Deus, iniciei ali.

                 
 Coloquei nessa página um modelo que pode ser copiado e adaptado como projeto para implantação de Capelania em Escolas Publicas e Não Confessionais. Estou estudando o tema para uma dissertação de pós-graduação. O texto escrito no corpo do projeto não é de todo da minha autoria, mas de várias pessoas que trocaram e-mails comigo em dois anos de convivência na NET. Não sei com certeza se é de fonte original. Estou pesquisando, ainda não encontrei. Posso garantir que de minha parte não plagiei, mas acredito que deve ter um autor. Por isso se alguém que ler meu Blog identificar a fonte,  faria grande favor a mim, aos leitores, e ao autor, para que pudesse dar os créditos. 

              Uma pessoa que compartilhou esse texto comigo, que prefiro não expor aqui, me disse ser dela. Porém, já encontrei esse texto em outro Blog de um colega do Norte. Mandei um e-mail para ele perguntando a fonte e o mesmo nunca me retornou. Por isso, acho que também não é dele. Situação difícil! Um dia o autor verdadeiro aparece. Pra não ser injusto, vou considerar por enquanto, autor desconhecido. 

                Peço apenas, a gentileza, daqueles que se utilizarem desse modelo, que postem no campo comentário, seu nome, email, função, igreja, e observações. Podem apresentar criticas, sugestões e testemunhos que venham a enriquecer nossa proposta.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

PROGRAMAÇÃO DO WORKSHOP DA TERCEIRA IDADE EM BH

Localização CRCLocalização do CTC - Contagem / MG





Nos dias 13, 14 e 15 de abril (sexta, sábado e domingo), como parte das comemorações do centenário da presença presbiteriana em Belo Horizonte, aniversário dos cem anos da Primeira Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte, a Secretaria do Trabalho Geral da Terceira Idade, liderado pelo seu secretário Rev. Reginaldo José de Pinho Borges, em conjunto com a Secretaria do Trabalho da Terceira Idade do Presbitério Belo Horizonte, sob a liderança do Rev. Afonso Celso de Oliveira, a convite do Presidente do Conselho da Primeira Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte, Rev. Ludgero Bonilha Moraes, realizará o WORKSHOP DA TERCEIRA IDADE DA IPB, com diversas atividades voltadas aos idosos, mas também direcionadas a juventude e adultos presbiterianos, como ao público em geral, em Belo Horizonte.

Eis a grade da programação com as diversas palestras informativas e dinâmicas de grupo:

PRIMEIRO DIA
Abertura do Workshop
Horário:
Sexta-feira dia 13 de Abril

19h30min.  
Local:
Primeira Igreja Presbiteriana DE BH
Rua Ceará, 1434, esquina com a Av. Afonso Pena, bairro Funcionários.
Tel. (31) 3273- 7044
1ª PALESTRA
Rev. Reginaldo José de Pinho Borges
Tema – “Construindo o REPAPI – Rede Presbiteriana de Apoio e Proteção a Pessoa Idosa”

SEGUNDO DIA
OFICINAS
Local: Veja no Google: 
Localização do CTC- Contagem/MG
Sábado dia 14 de abril
CRC – CENTRO DE REFERÊNCIA CRISTÃ
Rua Lincoln Costa Ferreira, 62 -Fonte Grande - Contagem - MG - Tel: (31) 3398-2510
2ª PALESTRA
9 - 10 HORAS
Prof. Rev. Reginaldo José de Pinho Borges.
Perfil Mental e psicoemocional da Terceira Idade”
INTERVALO
10- 10:30 HORAS
3ª PALESTRA
10h30min - 11h30min
“Acidentes Domésticos – Prevenção e Consequências”
AEI - Programa de Alfabetização de Adultos
INTERVALO ALMOÇO
12 – 14 HORAS
4ª PALESTRA
14 – 15 HORAS
Prof. Rev. Reginaldo José de Pinho Borges
“O Velho Testamento e a Longevidade”
Intervalo
14h00min às 14h30min
5ª PALESTRA
15h00min às 16h00min
Desemb. Dr. Pb. José do Carmo Veiga de Oliveira
“Violência contra o Idoso – O que prevê o Estatuto do Idoso?”
ENCERRAMENTO NO CRC
16h00min

TERCEIRO DIA
LOCAL:
DOMINGO 15 DE ABRIL
Primeira Igreja Presbiteriana de BH
Rua Ceará, 1434, esq. Com Av. Afonso Pena
CULTO MATUTINO
10h20min
PREGADOR: Prof. Rev. Reginaldo José de Pinho Borges
Tema: “Envelhecimento: Diga não aos mitos e preconceitos”
CULTO VESPERTINO
19h00min
PREGADOR: Prof. Rev. Reginaldo José de Pinho Borges
Tema: “Envelhecimento: Diga não aos mitos e preconceitos”
 Maiores Informações
TEL: 3046-4913 OU 8402-9824 
E-MAIL: pastorafonso@gmail.com 

Ao entorno do CRC existem restaurantes próximos com boa opção de refeição e preço. Há muitas opções de transporte coletivo tambem. O CRC fica perto do centro de Contagem. 



Rua Lincoln Costa Ferreira, 62 -Fonte Grande - Contagem - MG - Tel: (31) 3398-2510


Seguir por e-mail